Como montar uma lancheira saudável e possível

Voltam as aulas e, com elas, aquele drama: o que colocar na lancheira do seu filho? Conversamos com especialistas, que deram dicas valiosas e elaboraram um cardápio com sugestões prontinhas para sete dias

Antes de levar as crianças para a escola é aquela correria. Nem sempre dá tempo de preparar os lanches mais nutritivos para garantir que seu filho coma bem no período em que estará fora de casa. Sem falar que às vezes a criatividade simplesmente se esgota. Os petiscos repetitivos começam a cansar e as ideias de como tornar aquela pequena refeição mais atrativa – sem perder o valor nutricional – não vêm. Se essas situações fazem parte da sua rotina, não se preocupe. Milhões de pais e mães se reconhecem nelas.

Vamos por partes. Além de preparar alguns alimentos com antecedência, você pode congelar outros. As lancheiras térmicas são ótimas aliadas para aumentar as opções, já que permitem um melhor acondicionamento da comida. "O importante é combinar três grupos alimentares ao preparar o lanche: construtores (proteínas como queijos, iogurtes, leite e carnes, caso do atum e o frango, por exemplo), reguladores (frutas, legumes e verduras) e energéticos (carboidratos, como pães, biscoitos e bolos)", explica a nutricionista Elaine de Pádua, da DNA Nutri (SP). Outro detalhe importante: a cultura da boa alimentação vem de casa. "Não adianta os pais acharem que as crianças vão gostar de comer lanches saudáveis na escola se eles se alimentam mal em casa. Os adultos devem dar o exemplo", ressalta Danile Leal Barreto Sampaio, nutricionista do Hospital Sírio-Libanês (SP).

Antes de planejar o recheio da lancheira na volta às aulas, confira as dicas das especialistas:

 

Para beber
Sucos são uma grande dúvida. É difícil mandar os naturais, porque muitos perdem o gosto e os micronutrientes se não são ingeridos na hora. Para evitar que isso aconteça, escolha frutas com menor velocidade de oxidação, como goiaba, acerola, abacaxi e maracujá. Com o passar do tempo, a bebida perde mesmo uma parte das vitaminas, mas, ainda assim, é mais saudável que as versões industrializadas. Para armazenar e transportar, prefira as garrafas térmicas. Nessas condições, os sucos dessas frutas podem ser consumidos em média até 3 horas após o preparo. Outra opção são os sucos de polpa, o suco de uva integral, que é vendido em garrafas no supermercado, e a água de coco pasteurizada. Hoje também há alguns sucos de caixinha integrais mais saudáveis. Só é preciso ficar atento aos rótulos e escolher produtos livres de corantes, acidulantes, sódio e açúcar. De qualquer forma, eles devem ser consumidos com moderação.

Fuja do comum
Se o seu filho não tem comido as frutas que você coloca na lancheira, que tal variar? Muitas vezes, os pais mandam maçã ou banana por conta da praticidade e as crianças enjoam. Uva, morango, manga, melão ou melancia picados, em potes vedados, ajudam a diversificar o cardápio.

Nada de embutidos
Parece prático, mas um sanduíche com frios, como o peito de peru, não é um aliado da saúde. Isso porque esses alimentos são processados e apresentam conservantes, corantes, realçadores artificiais de sabor e uma quantidade muito alta de sódio. Além de acostumar o paladar das crianças com o excesso de sal, o exagero pode ocasionar uma série de problemas a curto e a longo prazo. A hipertensão é o principal deles.

Sobra do bem
Fez milho para o jantar e sobrou? Raspe um pouco e coloque num potinho vedado. Vira um lanche nutritivo e ainda ajuda a economizar seu tempo. O mesmo acontece com alimentos como tomate-cereja e cenoura baby.

Pão turbinado
As bisnaguinhas costumam ser a primeira escolha dos pais apressados, pelo formato e pela fácil aceitação das crianças. No entanto, há alternativas mais saudáveis e sem tantos conservantes, como os pãezinhos de mandioca ou de cenoura encontrados na maioria dos supermercados e padarias. Eles também são pequenos, só que mais saborosos e, como são feitos com ingredientes mais saudáveis, aumentam o valor nutricional do lanche.

Uma semana, um patê
Patês são ótimos recheios para os sanduíches. Você pode prepará-los usando ricota, queijo tipo cottage ou cream-cheese como base. Basta colocar no processador com seus ingredientes favoritos. Pode ser salsinha, atum, cenoura... Se colocados em um pote fechado na geladeira, duram quatro ou cinco dias, ou seja, rendem mais de uma lancheira. Para levar os lanches recheados à escola, embrulhe-os em papel-alumínio ou papel-filme, que ajudam a conservar o sabor.

Beliscar com saúde
Frutas desidratadas, mix de castanhas e cereais sem açúcar também são boas sugestões. Você pode colocar num saquinho ou num pote fechado. É prático e faz bem.

Bolo saudável
Os bolos são boas fontes de carboidratos, desde que preparados de maneira saudável, com menor quantidade de farinha branca, por exemplo. Pode ser de cenoura, limão, coco, laranja e até o de chocolate (feito com cacau em pó). No preparo, dá para substituir parte da farinha de trigo refinada por integral, aveia ou biomassa de banana verde. O açúcar comum pode ser trocado pelo mascavo.

Iogurte no freezer
Produtos lácteos são fontes de proteína, mas também estragam com facilidade. Você pode mandar iogurte na lancheira sem correr esse risco. É só deixar o produto no freezer por algumas horas, o suficiente para congelar. Um pouco antes de ir para a escola, retire-o e coloca na lancheira. Até a hora do recreio, ele vai estar descongelado e fresco para o consumo.

ELE SÓ QUER O LANCHE DO AMIGO?


Pode acontecer: seu filho vira para você e diz que o lanche do colega é mais legal e mais gostoso. Diante disso, o que fazer? “Procurar saber o que o amigo leva é uma boa ideia. Se for saudável, pode incluir o mesmo lanche no cardápio da semana”, explica a nutricionista Larissa Baldini Mattar, do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo (SP). Caso contrário, uma conversa com ele sobre os alimentos importantes para o seu desenvolvimento é muito válida. Aos poucos, ele começará a entender que deve se alimentar bem para crescer e ter saúde. Se o seu filho insistir nas guloseimas, combine com ele que, vez ou outra, poderá consumir um doce, a cada 10 ou 15 dias. Mas nunca mande um pacote inteiro de bolacha, por exemplo. Separe duas ou três (sem recheio!) e coloque num pote.

Incentivo é tudo!
Uma dica fundamental para estimular o seu filho a consumir alimentos saudáveis é levá-lo com você à feira ou ao supermercado. Apresente diferentes frutas, de várias cores e formatos, e compre não apenas as que você gosta, mas as que despertam o interesse dele. Assim, a criança entra em contato com produtos variados e tem curiosidade de prová-los.
O mesmo se aplica à hora de arrumar a lancheira. Além de variar nos pães (prefira os integrais) e acompanhamentos (como geleias e queijos), o que deixará o lanche do seu filho mais atraente, convide-o para ajudar na elaboração do cardápio do dia – ou da semana. Essa atitude vai incentivá-lo a consumir o que levou para a escola. “Os pais precisam ter consciência de que a alimentação deve ser o mais saudável possível, mas, ao mesmo tempo, têm de considerar o gosto da criança”, pondera a nutricionista Larissa Mattar. Equilíbrio, portanto, é fundamental.

Fonte: Revista Crescer. Por: Elaine de Pádua, nutricionista da DNA Nutri (SP), Danile Leal Barreto Sampaio, nutricionista do Hospital Sírio-Libanês (SP), e Larissa Baldini Mattar, do Instituto da Criança do Hospital das Clínicas de São Paulo (SP).

Endereço:

Centro Empresarial Jardins do Brasil 

  • Av. Hilário Pereira de Souza, 406/492 - 20º Andar

      Sala 2001 - Torre 2 - Centro - Osasco - SP

      CEP 06010-170

Contatos: 

  • ​(11) 4624-4040 (consultório) 

Estacionamento com serviço de Valet no local para o conforto e segurança dos pacientes. 

Conectividade Wi-fi  em  todos

os ambientes.

© 2019 PequenoSer - Todos os direitos reservados. Imagens ilustrativas.

Resp. Téc. Dra. Estela Maria Marcon Pires - CRM 70.564