Volta às aulas na Pandemia

Após quase um ano do início da pandemia do novo coronavírus no Brasil, nós pediatras já temos material e vivência suficientes para avaliar os impactos da Covid-19 na população infantil, tanto em decorrência da própria doença, como também do longo período de isolamento social e fechamento de escolas.

Os estudos mostraram que as crianças não são “super transmissores” como se acreditava no começo da pandemia. Além disso, as crianças possuem menos chance de desenvolverem a doença comparado aos adultos, evoluindo na grande maioria das vezes de forma assintomática ou com quadros leves; necessitam menos de hospitalização e os casos graves na população pediátrica são muito raros (muito mais raros do que em infecções por outros vírus respiratórios, como influenza e VSR – vírus sincicial respiratório).
 

Em contrapartida, as repercussões na saúde física e mental na população infantil em decorrência do longo período de isolamento são preocupantes e de difícil abordagem.

Dentre os principais e frequentes problemas de saúde podemos destacar os transtornos psiquiátricos (como ansiedade, depressão, ideação suicida), alterações emocionais e de comportamento, distúrbios do sono, atrasos no desenvolvimento neuropsicomotor, obesidade e insegurança alimentar, distúrbios oftalmológicos como aumento dos casos de miopia, dor e ressecamento ocular, acidentes domésticos como traumas e queimaduras, etc. Não é difícil perceber que muitos destes problemas surgem ou se intensificam devido ao uso excessivo de dispositivos eletrônicos.

Associados a isso, devemos nos atentar aos prejuízos pedagógicos, evasão escolar, aumento nos casos de violência doméstica e agravamento das disparidades sociais, uma vez que o acesso a dispositivos eletrônicos para realização de aulas online não é universal, sendo, nitidamente, os alunos da rede pública os mais prejudicados.

Chama a atenção que muitos destes problemas sociais e de saúde que se iniciaram e/ou se agravaram de forma tão aguda durante a pandemia são de difícil identificação, quer seja pela sua complexidade, quer seja pelas dificuldades no acesso aos serviços de saúde especializados. Estas questões são potencializadas pela ausência da escola como um importante local para detecção destes problemas.

Frente a esta situação, entendemos que a reabertura das escolas é um tema urgente e essencial, que deve ser abordado pela comunidade científica, famílias, educadores e poder público.

Diversos estudos relatando experiências internacionais e nacionais de retomada segura das escolas foram publicados nos últimos meses. Há evidências científicas robustas de que a abertura de escolas, seguindo protocolos sanitários bem planejados e executados, não acrescenta maiores riscos para a propagação do vírus, comparado a outras atividades e setores da sociedade.

Nós, do Grupo de Trabalho de Desenvolvimento e Distúrbios de Aprendizagem da Sociedade de Pediatria de São Paulo, apoiamos a volta às aulas presenciais, seguindo os protocolos de segurança, por entendermos que é possível que isso seja realizado de forma segura e que a ausência de aulas presenciais há quase um ano gera prejuízos imensuráveis ao desenvolvimento e aprendizado das crianças e adolescentes não só no nosso país, mas em todo o mundo. Entendemos também que, apesar da “polarização” vivida nas redes sociais nos dias atuais, pediatras e educadores possuem mais ideias e objetivos em comum do que divergências, sendo importante neste momento o diálogo e o trabalho em conjunto.

Vale ressaltar que a possibilidade da permanência das escolas abertas está diretamente relacionada à situação de controle da pandemia na comunidade local e que é responsabilidade de todos que os protocolos sejam seguidos dentro das escolas e que as medidas de controle da disseminação da doença sejam rigorosamente mantidas fora das escolas. Uso de máscaras, higienização das mãos e distanciamento social continuam sendo as medidas mais eficazes contra o aumento de novos casos. Privilegiar atividades ao ar livre, em ambientes abertos, além de trazer benefícios às crianças, agregam menos riscos de transmissão de doenças infectocontagiosas.

Além disso, é fundamental o comprometimento das famílias em reduzir o risco de circulação do novo coronavírus dentro das escolas.

 

Algumas das principais medidas que devem ser adotadas nesse sentido são:

  • Não enviar para a escola a criança que apresentar qualquer um dos sintomas sugestivos de Covid-19: febre, diarreia, vômito, coriza/congestão nasal, tosse, dor de garganta, dor de cabeça, dor no corpo, perda de olfato e/ou paladar.
    Qualquer um desses sintomas pode ser indicativo de Covid-19, mesmo os quadros leves. Não é necessário ter febre ou sintomas intensos!

  • Em caso de ocorrência de qualquer um desses sintomas, a criança pode retornar às atividades presenciais após ter cumprido 10 dias de isolamento a partir do início dos sintomas ou depois do teste de Covid-19 ter dado negativo (realizado idealmente a partir do 3º dia após o início dos sintomas), devendo estar sem febre ou sintomas respiratórios há pelo menos 24 horas.

  • Caso algum morador do mesmo domicílio seja diagnosticado com Covid-19 ou apresente sintomas sugestivos da doença, a criança não deve frequentar a escola.

  • Caso a criança tenha tido contato com caso confirmado, deve permanecer em quarentena por um período de 14 dias ou realizar o teste para Covid-19 entre o 5º e o 7º dia após o último contato. Caso ela teste negativo e não esteja com nenhum sintoma sugestivo da doença, pode sair da quarentena após 7 dias do último contato.

  • A família deve se mobilizar para buscar a criança imediatamente na escola caso os sintomas tenham início dentro do ambiente escolar, visando minimizar a transmissão.

  • A família deve informar a escola caso o aluno tenha diagnóstico de Covid-19 (suspeito ou confirmado), para que as medidas de prevenção de transmissão possam ser adotadas.

  • Todos (alunos, familiares, professores e funcionários) devem evitar festas e aglomerações fora do ambiente escolar.

  • Toda criança que possua ou conviva com alguém que tenha fator(es) de risco para o desenvolvimento de quadros mais severos de Covid-19 deve ter a opção de ensino remoto integral.

  • A ciência conseguiu de forma inédita e em tempo recorde a elaboração de vacinas que se tornaram a grande esperança no combate ao vírus. Entretanto, ficou claro durante este último ano, que qualquer forma de solução no combate aos problemas relacionados a esta pandemia se encontra no âmbito coletivo e todos têm seu papel nesse processo.

Fonte: *Nota: este texto foi avaliado e aprovado por Dr. Eitan Berezin – Departamento de Infectologia da Sociedade de Pediatria de São Paulo.

Relatores:
Fernando Lamano
Mariana Granato
Grupo de Trabalho de Desenvolvimento e Distúrbios de Aprendizagem Sociedade de Pediatria de São Paulo

Endereço:

Centro Empresarial Jardins do Brasil 

  • Av. Hilário Pereira de Souza, 406/492 - 20º Andar

      Sala 2001 - Torre 2 - Centro - Osasco - SP

      CEP 06010-170

Contatos: 

  • ​(11) 4624-4040 (consultório) 

Estacionamento com serviço de Valet no local para o conforto e segurança dos pacientes. 

Conectividade Wi-fi  em  todos

os ambientes.

  • Instagram

© 2021 PequenoSer - Todos os direitos reservados. Imagens ilustrativas.

Resp. Téc. Dra. Estela Maria Marcon Pires - CRM 70.564